ABERTURA TOTAL – EP.18 – MALZ AÊ

O episódio de hoje é um não-episódio. Apesar da falta na semana passada, eu não poderia deixar a periodicidade de lado, mas ao mesmo tempo também não consegui exprimir algo realmente substancial e a contento. Tá tudo de boa por aqui, de verdade. Só não rolou de fazer nada no mesmo pique de sempre. Digo, nada bacana o bastante pra realmente render um episódio propriamente dito. Desculpa :~

ABERTURA TOTAL – EP.17 – 100%

No episódio de hoje, abordo nada menos do que 100%. Entretanto, não sei dizer exatamente 100% do quê. Conforme previsto, tô naquele momento em que pondero acerca do que fazer, então sei lá.

Não que vá me acalentar a confusão, mas se quiser ajudar com um trocado prum marmitex, fique à vontade. Valeu!

ABERTURA TOTAL – EP.16 – POXA, CRUSH

Nao to bom hoje nao, mas eu tava bom quando escrevi, gravei e editei este episódio, entao YAAAY!! <3

ABERTURA TOTAL – EP.15 – PUNHETÃO

Episódio talvez confuso, talvez claríssimo. Sei lá, bixo. Dá um desconto. Estou ~me descobrindo~

Apadrinhe o Abertura Total!

ABERTURA TOTAL – EP.14 – ANIVERSÁRIO

No episódio de hoje, estou motivado pelo meu aniversário. Por isso mesmo é bem mais longo. E por isso mesmo reforço: doe uns trocados pro Abertura Total!

ABERTURA TOTAL – EP.13 – COLEGIADO

No episódio de hoje falo sobre algo que provavelmente será retomado num momento posterior. O tempo do episódio é escasso e as sensações foram muitas para eu conseguir cozinhar em até 9 minutos. Então vamos dar esse primeiro passo, ainda que trôpego, pra ver como essa parada se desenvolve.

ABERTURA TOTAL – CARTAS ABERTAS #02

Na carta aberta de hoje consigo transcender a natureza superficial de algo que me irrita para atacar a verdadeira raiz desse algo que me irrita.

Essa raiz? Acertou. Vizinhos desgraçados. São tantos. São muitos.  Todos fomentando o exato mesmo problema. Inclusive beijo grande aos que não fazem isso.

Bom, vamo lá.

ABERTURA TOTAL – EP.12 – CU CHEIO DE AREIA

O episódio de hoje existe porque mandei um “calma bixo” e um “enfim… bom trânsito aí flw” pra uma pessoa que me paga pra fazer freelas, daí me senti mal por isso já que super preciso do dinheiro e após análise posterior, percebi que sem querer, provoquei a reação que me fez responder de maneira despeitosa. Malz ae.

ABERTURA TOTAL – EP.11 – SILÊNCIO E SOLIDÃO

No episódio de hoje, como é de praxe, começo falando de um negócio legal pra emendar num assunto incômodo, sem necessariamente implicar grandes afetações; me atendo somente à observação e análise diferenciada. Inclusive, preciso perder a mania de escrever isto aqui como se fossem as coisas mais previsíveis do mundo. É mania mesmo, não é perfeccionismo e nem pirraça. Achei o episódio legal e tô satisfeito!

Ah! Outro dia rolou uma pequena inadimplência para com a companhia de energia elétrica e fiquei de 13h às 22h sem luz. Foi péssimo e não recomendo. Enquanto não faço um ou mais episódios explicando melhor como é minha condição de vida e moradia, que tal doar um dinheirinho pro Abertura Total e ajudar a evitar que minha luz seja cortada?

Não obstante, que tal também comprar umas PEITA TURBO DO POPCAST DOCRÓPOTOS? Tem manga longa, baby look, raglan, moletom e pôster. Porra, loco demais!!

ABERTURA TOTAL – EP.10 – RESUMO

Em comemoração ao décimo episódio, o que claramente configura uma década de Abertura Total, hoje faço um resumo dos episódios anteriores – reiterações, ratificações, retificações e, admito, uma encheçãozinha de linguiça. Aproveita e vai neste link aqui porque é importante.

ABERTURA TOTAL – Ep.09 – SOLTO NA BARRANQUEIRA

No episódio de hoje, pondero fortemente sobre a possibilidade de realizar versões ao vivo do Abertura Total pelo Brasilzão afora. A vontade é grande e tenho a sorte de ter quem cuide das partes que não manjo. Pra acontecer mesmo, adoraria contar com a contribuição de quem ouve.

Então o episódio de hoje vem acompanhado de um formulário pra eu começar a sondar as possibilidades de realmente meter o famigerado AO VIVAÇO. Clica aqui → É coisa rápida, juro.

ABERTURA TOTAL – Ep.08 – ROMANTISMO

No episódio de hoje, faço a súmula de como ando lidando com as coisas que vinham me afligindo; além de dar um breve panorama sobre onde estou agora. Senti que sobrou metáfora e faltou piada, mas enfim… o que não pode é ficar sem episódio né kkkkkkkjj

ABERTURA TOTAL – CARTAS ABERTAS #01

Hoje decidi fazer o famigerado ~experimento~. Primeiro porque realmente já tinha pensado nisso. Segundo porque fiquei sem episódios reserva do Abertura Total. “Cartas Abertas” é um segmento no qual pensei há algumas semanas, mas não cheguei a produzir mais do que um episódio. Então serve tanto para cobrir a minha falta de reservas de episódios normais quanto para experimentar uma ideia nova.

ABERTURA TOTAL – Ep.07 – CRUZANDO SEXO

No episódio de hoje eu INFRINJO AS REGRAS e extrapolo o limite de 8 minutos de duração. Mas tudo bem – é pra falar de sexo.

Socorro (mas por motivos ligeiramente frívolos)

Na semana passada, chegamos ao 6º episódio do Abertura Total. Me senti esperto e inteligente por ter feito uma boa reserva de episódios. Contudo, não havia considerado que junto disso, se passaram seis semanas desde que comecei isto aqui. E também que desleixei grandão durante metade disso.

feedback da moçada é excelente e animador. Minha gratidão pela boa aceitação é imensurável, posto que demorei um bocado a realmente conseguir virar uma página já gasta, amassada, rabiscada e borrada da minha trajetória artística.

“Melhor ter vários episódios já enfileirados porque… sei lá, essa porra dessa vida não me deixa em paz”.

Este foi o pensamento quando comecei. Agora percebo que fiz bem. Necessidade extrema por terapia pra me definir; fim de namoro longo; falta de saco pra freela. Nada de extraterreno em nenhuma dessas coisas. Longe de mim querer fazer mimimi por bagulhos tão pequenos e tão facilmente relacionáveis. Não é como se eu tivesse sido abduzido por alienígenas ou enterrado vivo tipo Oldboy.

Enfim… é uns bagulho paia que acontece. Entre sofrer por essas coisas e ficar puto por ter perdido tempo e energia ~sofrendo~, prefiro ficar puto… na primeira brecha que o sofrimento der KKKKKK AIAI EU TO IMPOSSIVEL HJ.

Porém, fato é que não programo tweets de divulgação desde o 3º episódio. Desacelerei o pique das interações. E mais importante do que isso tudo: a fila que programei tá acabando. Tem o episódio de amanhã e depois não tenho mais nada.

Bem… Não faço a mínima ideia do próximo tema.

A boa notícia nisso é que não é por insegurança e medo. A má notícia é que talvez venha algo ~experimental~. Pra cima e além disso, talvez role uma cara-de-pau de pedir doações simbólicas no Padrim. Simbólicas mesmo. Não tô em ritmo de produção o bastante pra estabelecer meta e pedir valor alto ainda.

Continuo fazendo tudo porque acho do caralho, mas a real é que adoraria chegar no ponto de não ter que freelar por mixaria e poder fazer só isso aqui e o Decrépitos pra bancar minha vida – cujo custo agora é ainda mais baixo do que já era.

Sério, outro dia rolou um total de 9 minutos e 42 segundos distribuídos em 22 mensagens de áudio, todos sobre um único arquivo de um único freela. Falei “acho que retenho informação melhor por escrito” e recebi um “tem um botão de pause nas mensagens não sei se você viu”.

Quase quebrei meu laptop.

ABERTURA TOTAL – Ep.06 – “E O LIVRO?”

No episódio de hoje, finalmente perfaço a correlação entre este humilde programa e aquele bagulho do audiobook que inventei de fazer no fim de 2016 – e até tá rolando.

ABERTURA TOTAL – Ep.05 – MEDÃO DA PORRA

Não é só porque decidi voltar a produzir e buscar disciplina que quer dizer que eu não esteja constantemente me borrando de medo. E é exatamente sobre isso que falo neste episódio.

ABERTURA TOTAL – Ep.04 – RINHA DE CROCODILOS

No episódio de hoje, rumino sobre carências emocionais e o quão entediante pode ser disponibilizar apenas esta parte de mim para outras pessoas. Parece confuso porque é confuso.

ABERTURA TOTAL – Ep.03 – PERFECCIONISMO

Neste episódio, discorro mal e porcamente sobre um problema criativo amplamente romantizado: o perfeccionismo. Já adianto que deixou a desejar, mas foi de propósito pra reforçar meu ponto de vista. Originalmente gravado em outubro de 2016.

1000 Palavras — Ideia Velha

O carro-chefe deste humilde e belíssimo websítio é o programa Abertura Total. Claro, programas solitários não são novidade. Tampouco os curtos. O formato existe desde quando a mídia dominante do áudio era o rádio.

Mas no que diz respeito ao Abertura Total propriamente dito, é uma ideia velha. Especialmente do ponto de vista estético.

A música de fundo, “Better Go” de Ben Webster & Sweets Edison, é paixão antiga. Na virada dos anos 90 para os 00, estava curioso sobre jazz e emprestei do meu pai um CD deles. Gostei tanto que nunca mais devolvi o álbum; para satisfação do coroa, que até então desconhecia o lado limpo, leve e bonito de meu palato musical.

A partir de 2006, fiz um pequeno investimento em meu proto-estúdio caseiro de áudio. Comprei de um amigo um par de monitores Samson e uma placa de som Delta 1010LT. Com o dinheiro restante, comprei um pre-amplificador e uma mesinha de mixagem Behringer. Coroando o setup, ganhei do meu amigo Gleicon um excelente microfone Superlux.

Munido desse equipamento, tive dois anos bastante produtivos. Criava batidas, gravava vozes, mixava e masterizava tudo em casa. Em 2008, se encerraram as atividades musicais. E lá estava eu, com um equipamento consideravelmente decente, vontade de produzir, mas interesse algum por voltar a mexer com música.

Lembrei-me de trabalhos que fiz na faculdade, para Radiojornalismo, na qual quebrava constantemente as regras de formatação para produzir peças igualmente toscas, hilariantes e recheadas com o conteúdo exigido pela professora. Lembrei-me do quão bem fui naquela matéria. Levei em consideração o meu crescente e intenso amor por esquetes cômicos em áudio.

Assim, decidi fazer uso de meu equipamento para produzir a primeira forma do Abertura Total. O nome simplesmente veio. A estética de café, cigarros, meia-luz imaginária e jazz é algo que sempre resoou em mim, mesmo quando ainda desconhecia o gênero musical.

Nessa primeira forma do Abertura Total, me pus como um personagem chamado Rafael Mordente. Um ex-menor delinquente que se tornou guru de  autoajuda e cuja patologia para mentiras lhe rendera registro na Polícia Federal — e portanto, a obrigatoriedade de mencionar isso antes de todo programa. Assim, o personagem recebia ligações telefônicas de ouvintes com problemas esdrúxulos. Após alguns momentos de filosofia imbecil, propunha soluções ainda piores para resolve-los.

O contexto servia como base para que eu pudesse purgar o resto de humor negro que ainda restava em mim. Ainda gosto da ideia, mas o resultado da produção não me agradou. Me pareceu forçado, então decidi apagar. As poucas pessoas que tiveram contato com isso discordam. Respeito e aprecio o bom feedback, reconheço o valor do experimento, mas realmente não me agradou o bastante para querer continuar.

Sempre gostei de interpretar personas e personagens. De elaborar contextos e universos dentro dos quais linguagens e maneiras de pensar se formassem por completo.

Passada pouco mais de uma década, me vi numa  situação não tão incomum, mas peculiar: após me dedicar por tanto tempo a essa forma de construção artística, meio que me perdi de quem sou de verdade. Isso acabou afetando todos os aspectos da minha vida. Continuava a par de minhas habilidades e limitações, mas não conseguia mais ver o ponto de origem disso tudo.

Por forças circunstanciais dos últimos seis anos, me vi figurativamente despido. A atividade artística e humorística que mais me deu experiência e reconhecimento definhou por anos até acabar de vez. Um alívio feito de tristeza, mas ainda assim um alívio.

Paralelamente, debutei como comediante propriamente dito nos palcos e em vídeo. Tudo que realizei a partir dessa experiência e reconhecimento não fruiu como achávamos que deveria. Tudo sempre realizado em equipe. Coisas deliciosas de se fazer, mas que para mim, em nada contribuíam para a resolução do problema original: me ver como um desconhecido.

As ideias que tive para produzir sozinho foram apaixonantes, mas se revelaram mais como empecilhos do que como hobbies saudáveis ou pretensões de uma vida autônoma, dependente apenas de meus próprios recursos. Mais uma vez, experiências sensacionais, mas desprovidas daquele “tchan” que me dá vontade de manter a disciplina e a regularidade. Fosse nos palcos, na música ou em vídeo, tudo parecia trabalhoso demais para continuar não me satisfazendo.

Sempre tive a mania de me autoanalisar. Tanto sozinho, dentro da minha própria cabeça, quanto por escrito. Porém, sempre abominei a ideia de fazer disso uma fonte para minhas competências artísticas. Sempre foi de dentro para dentro. Enquanto isso, ao mesmo tempo, me virava para produzir arte de dentro para fora. Sempre senti necessidade por criar os já mencionados contextos, linguagens e formas de pensar. Nunca quis fazer de mim mesmo parte de minhas criações.

“Porra, quem sou eu pra me achar interessante a esse ponto? Que relevância tenho como pessoa, fora de círculos próximos? O que eu crio me precede. Eu tenho mais é que ficar na minha”.

Revisitei tudo que fiz desde que aprendi a produzir no computador. Músicas, esquetes, roteiros, crônicas, vídeos, fotomontagens, desenhos. Como espectador, apreciei. E parei por aí. Não valia mais a pena enxergar tudo aquilo como criador. Ainda que desconfortavelmente despido no presente momento, revisitar o passado como criador seria me jogar no mesmo labirinto de sempre.

E aí esbarrei no Abertura Total de novo. Não o produto que rejeitei, mas o conceito pelo qual me apaixonei. O formato. A estética. Levei em consideração os 2 anos de podcast no Decrépitosdo qual não saí, inclusive, só pra esclarecer. A experiência prática como podcaster me deu a constatação de que, ainda sem me sentir dono de uma identidade, já ando exercitando a musculatura responsável pela caminhada errante desse Mordente despido.

Quer dizer, não totalmente despido. Vestir o nome The Brazilian Rafael Mordente me basta para que eu não morra de frio.

E se tenho aversão a falar de mim mesmo, bem, grandes bosta. Se eu quero um ponto de partida para algo só meu, algo que não ative a velha fórmula de confusão e desistência… agora é tudo que eu tenho.

Existir. É só o que tenho.

A mais velha das ideias.

ABERTURA TOTAL – Ep.02 – MÁS ESCOLHAS

Hoje discorro sobre as diferenças primordiais entre rebeldia e pirraça; bem como suas contribuições para aumento e diminuição da taxa de más escolhas ao longo da vida. Originalmente gravado em outubro de 2016.

ABERTURA TOTAL – Ep.01 – VASECTOMIA

No episódio de estréia de “Abertura Total”, discorro sobre o quão bom foi ter feito uma vasectomia e o quão ruim é ser um total e completo idiota. Originalmente gravado em algum lugar entre agosto e setembro de 2016.

AquAplAy – Quimera

Esse já foi num esquema mais “quero gravar um bagulho” mesmo. Fiz uns beat assim meio de bobeira, mas na hora de pôr voz e mixar, joguei nas mão dos PROFISSA. A arte visual fui eu mesmo, pra minha própria surpresa.

Bjos Diogo C. e GIVNT

Esquife – Sepher Yog Sothoth

Mais uma brinks tentando emular todos os instrumentos no computador. Como é black metal, também tentei emular toda a atmosfera GRIM AND FROSTBITTEN. Cheguei a receber email de uma banda de verdade dizendo que “o material é forte”. Quem sou eu pra recusar um elogio desse quando nem tocar guitarra eu sei?

A propósito, essa foto cabeludo com um machado foi numa festa à fantasia. Efeito P&B queimadaço cortesia de The Magic Of Photoshop™.

 

Lab.2

Projetinho de brinks que fiz entre 2004 e 2006, tentando emular literalmente todos os instrumentos no computador. Alguns até enganam.

 

Af ta lindo meu site :~

Ja comecei a produzir os audio vou so fazer uma frentezinha de conteudo pq eh importante aprendi com varios profissionais da internet juro acredita ne mim